Posts filed under ‘crime’

Papo Psi: Violência doméstica. Até quando vai ser natural?

Cena 1 (vizinhas conversando):

– Aquela ali apanha do marido.
– Mas também bate. Você viu que eles estavam os dois roxos ontem?
– Pois é a vida: tem quem goste assim
.

Cena 2 (pai falando com o professor):

– Quando eu chegar em casa, a varinha vai comer.
– Mas adianta?
– Sempre adiantou. Semana passada ele apanhou, semana retrasada também. Só apanhando ele aprende.

Cena 3 (aluno em sala de aula):

– Mas sabe o que é, professora? Tem mulher que gosta de apanhar. A minha vizinha, por exemplo, se não apanha, não deixa o marido dormir. Eu que não vou me meter.

Das três cenas aí de cima, pelo menos uma eu presenciei nos últimos seis meses. As outras duas é bem possível que você tenha presenciado. E me assusta perceber o quanto a gente considera “normal” a violência que acontece dentro de casa.

Violência doméstica não é só dar tiro na mulher porque ela demorou no mercado. Violência doméstica também é a mulher destratar o marido quando ele chega em casa. Aliás, violência não precisa ser física, pode ser psicológica. O filme espanhol Te doy mis ojos (trailler), de 2003, é uma ilustração bastante fiel do quanto a violência doméstica extrapola o limite da agressão física: uma pessoa cotidianamente agredida não consegue estabelecer vínculos afetivos. É uma pessoa que está condenada a não confiar: não confiar nos pais, não confiar no parceiro, não confiar no chefe, não confiar nos amigos. Se eu aprendo que a cada falha eu vou apanhar, que a cada mudança climática (ou derrota do time) eu vou tomar uns tapas, como eu vou estabelecer uma relação afetiva e não violenta com qualquer pessoa?

Para compreender o fenômeno é importante mudar o foco. Sair do agredido e partir para o agressor. O que leva uma pessoa a se tornar um agressor? Agressores são formados com modelos de agressão. Crianças que crescem presenciando os pais se agredindo provavelmente acharão “normal” que um exerça esse poder violento sobre o outro: porque é mais forte, ganha mais ou é o responsável pela casa. Enquanto filhas de mulheres agredidas tenderão a naturalizar o “apanhar”, filhos de pais agressores tenderão para o “bater”. A aprendizagem se dá pelo modelo.

Já passou da hora de repensarmos (e tentarmos eliminar) as reações violentas que ocorrem dentro das nossas casas. Repensar nossas respostas às adversidades, nossa visão de mundo: será natural que “quem pode mais, bate e quem pode menos, apanha”? São esses os lugares que queremos ocupar em nossa relação com o mundo? Quais as conseqüências disso para a sociedade?

Estabelecer um novo repertório de comportamentos, não violentos e baseados no afeto, na racionalidade e no respeito ao outro é trabalho para gerações. Mas isso não é justificativa para não darmos o primeiro passo.

Quer saber mais?

sábado, 23 fevereiro at 10:32 pm 3 comentários

Apenas mais um post

Eu não ia pegar o hype: eu não tinha conhecidos lá, não moro lá, não ando de avião. Minha cidade mal tem um aeroporto – que anda mais fechado que aberto, por causa do vento, por causa da chuva. Além disso, não foi pra falar de desgraça que eu abri esse blog.

Mas não dá. Ontem, quando eu ouvi a música do plantão da Globo, me deu um gelo. A música do plantão deve gelar qualquer mortal desse país. Mas pensei que fosse alguma coisa relacionada ao Pan, nem fui olhar.

Quando liguei a TV, senti quinze tipos de medo. Tenho amigos que vivem na ponte SP – POA. Na hora, todos vieram na minha cabeça. Eu não sabia se ligava, se mandava e-mail, se procurava no MSN. Não achei que seria bacana receber uma ligação do tipo “oi, eu só queria saber se você está vivo”. Não liguei, sabendo que notícias ruins chegam sem a gente ir atrás delas, rapidinho. Hoje de manhã tive notícias de todos ele – graças a Deus não estavam no vôo.

Mas e aí? E os 176 (é isso mesmo?) passageiros que estavam no vôo JJ3054 da TAM? E as pessoas que estavam em terra? Eles são menos importantes porque eu não os conheço?

Não. Agora, passado o primeiro choque, me dou conta do quanto a morte dessas pessoas de um jeito tão estúpido, tão ridículo, tão previsível, é criminosa. E o quanto esse país tem que tomar jeito.

A começar pela imprensa. A Carol e o Chico tem comentários aparentemente opostos, mas muito semelhantes: será que o acidente vai virar hype? Tem blog usando isso pra pegar paraquedista do google? É só pra isso que vai servir? Para aumentar a popularidade da Perfis de Gente Morta? Ou esses esforços vão ser aglutinados para exigir atitudes drásticas de quem deve tomá-las?

O problema maior é o nosso (des)governo. Federal, estadual, municipal. Cai avião, convoca reunião de emergência. Controlador de vôo entra em greve por falta de condições de trabalho, usa lei marcial pra fazer os infelizes trabalharem mais. Quebra a safra por chuva de pedra ou geada, baixa um pacote de refinaciamento. Crise em hospital, contrata um monte de gente na pressa. Precisa reconhecer curso em universidade pública, compra equipamento sem licitação na pressa. Falta menos de um mês pro Pan e as obras estão atrasadas, mais obras sem licitação e tudo fica bonito na abertura.

Deu pra entender aonde eu quero chegar?

Isso não é papel de governo. Isso é apagar incêndio (com o perdão do trocadilho infeliz).

Se o aeroporto deixou de ser a melhor saída para o Brasil, se aviões se tornaram um meio de transporte perigoso no Brasil, se a coisa chegou nesse ponto é porque tem algo muito errado aí. E há mais de 6 anos. Há mais de 14 anos. Em 63 teve um acidente em Congonhas, na época do Pan de São Paulo. São quarenta e quatro anos. Falta planejamento estratégico nesse país.

“Ah, mas eu pago os meus impostos e voto a cada ano, o que mais eu posso fazer?”

Sei lá. Eu já falei antes e vou repetir: considero esse tipo de participação política insuficiente. Para um país que lutou pela democracia, votar não é privilégio. É obrigação. Tá, tem toda aquela conversa de votos de adolescentes, voto de analfabetos, voto obrigatório. Mas não quero me delongar.

Eu não tenho a solução dos nossos problemas. Mas espero que a gente não esqueça que os problemas são NOSSOS, não de outros. E cobre a solução como for de direito.

Uns outros posts:

quarta-feira, 18 julho at 10:00 pm 4 comentários

Off-topic: Mobilização contra a redução da maioridade penal

Eu poderia escrever cento e duzentos posts aqui dizendo por quê sou contra a redução da maioridade penal. Outros cento e duzentos dizendo por quê sou a favor da descriminalização do aborto. Mas não quero. Não é objeto desse blog criar polêmicas. A propósito, deixo já um aviso: qualquer comentário que crie qualquer tipo de discussão desagradável será sumariamente deletado, aqui e em qualquer outro post. A casa é minha e eu gosto de casa limpa.

Prelúdio feito, vamos ao que interessa. A Comissão de Constituição e Justiça do Senado Federal aprovou, no último dia 26 de abril, o Substitutivo do artigo 228 da Constituição Federal. O projeto, que reduz a maioridade penal para 16 anos, vai agora para votação no Senado. Se você também acha que esse substitutivo é um movimento puramente eleitoreiro e que há outras formas de reduzir o impacto da criminalidade na nossa sociedade, manifeste-se. O Conselho Federal de Psicologia disponibiliza, na sua página, uma manifestação para ser enviada aos senadores. Não é necessário ser psicólogo para colaborar: basta clicar aqui e colocar seu e-mail.

Obrigada.

quinta-feira, 3 maio at 7:53 pm Deixe um comentário

Ironia…

Ironia

Daqui.

quarta-feira, 18 abril at 7:34 pm Deixe um comentário

Como criar um assassino

Inicie o trabalho com sua mãe. Não dê a ela, na sua infância, formas de compreender a maternidade. Não dê referências de maternidade. Não mostre o que é carinho, afeto, toque, corpo. Transforme sua vida em um servir sem motivos e sua corporeidade em um parque de diversões para outros.

Durante a gestação, a abandone. Assistência pré-natal? Isso é coisa para humanos. (Lembre-se: ela não foi humanizada.) Evite que ela tenha um parto em um local adequado, sob condições adequadas de higiene. Seja sob uma barraca na feira ou em um corredor de espera de hospital, faça com que seu parto seja uma experiência extremamente desagradável. Não dê opções para criar seu filho, fazendo com que jogá-lo no rio ou deixá-lo para morrer em meio à sujeira sejam opções tão boas quanto qualquer outra.

Pronto, você já tem o bebê. Agora é fácil. Retire-o da mãe, aquele monstro, e o entregue a uma instituição que não saberá o que fazer com ele. (Amontoar crianças sem condição nenhuma de educação é um ótimo meio de criar assassinos.) Escola? Não, coloque-o para trabalhar desde cedo. Trabalho pesado, lógico: carvoarias, vender drogas, curtir peles. (Ele não é humano, lembra? Educação é para humanos.) Faça com que ele não tenha nenhum tipo de marcação, seja na sua infância ou na sua adolescência. Maternagem, paternagem, castração? Isso é coisa de psicanalista maluco, você sabe bem.

Se ele demonstrar algum talento especial, oriente-o de forma a obter vantagens, mas não o ensine a lidar com seu desejo. Tenha sempre em mente que ele não é humano – afinal, você quer criar um assassino.

Seguindo essa receita, você provavelmente terá o seu menino. Daí para frente a vida se encarrega: Não tendo sido ensinado a lidar com o próprio desejo, ele usará de todas as forças para satisfazê-lo. Não tendo aprendido o que é ser humano, ele não agirá como tal. Não sabendo o valor que a vida tem, ele não verá esse valor na vida alheia. Nesse caminho, é bem possível que ele cometa algum crime hediondo – afinal, ele não sabe o que é crime, tampouco o que é hediondo.

Quando isso acontecer, suba no púlpito e o julgue. Diga que não há mais conserto (realmente, não há). Chame-o de monstro (realmente, é o que ele é). Condene-o. Clame que ele poderia ter escolhido outro caminho (você sabe que não poderia). A horda humana se juntará a você para condená-lo e colocará todos os seus ódios e suas forças para vingar-se.

Funciona. A modernidade garante.

:::::::::::::::

Sim, esse texto é absurdamente inspirado naquele filme. Mas eu não vou falar o nome aqui para não virar spoiler.

segunda-feira, 19 março at 6:29 pm 3 comentários


Agenda

agosto 2017
D S T Q Q S S
« ago    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

Posts by Month

Posts by Category