O dia em que eu fui Virgem Maria

segunda-feira, 24 dezembro at 11:59 pm 1 comentário

No sexto mês, o anjo Gabriel foi enviado por Deus a uma cidade da Galiléia chamada Nazaré. Foi a uma virgem, prometida em casamento a um homem chamado José, que era descendente de Davi. E o nome da virgem era Maria. O anjo entrou onde ela estava, e disse: ‘Alegre-se, cheia de graça! O Senhor está com você!’ Ouvindo isso, Maria ficou preocupada, e perguntava a si mesma o que a saudação queria dizer. O anjo disse: ‘Não tenha medo, Maria, porque você encontrou graça diante de Deus. Eis que você vai ficar grávida, terá um filho e dará a ele o nome de Jesus. Ele será grande, e será chamado Filho do Altíssimo. E o Senhor dará a Ele o trono de seu pai Davi, e ele reinará para sempre sobre os descendentes de Jacó. E o seu Reino não terá fim’. (Lc 1,26-33)

Na paróquia que eu participava quando pequena, o fim do ano era sempre igual. Depois do encerramento da catequese (por volta da segunda quinzena de novembro), começavam os encontros de preparação para o Natal. Os grupos eram formados pelas famílias que recebiam a mesma capelinha – cada duas quadras tinham a sua capelinha e a sua zeladora – e os encontros de preparação seguiam o mesmo roteiro: oração – fato da vida – leitura da Palavra – oração – gesto concreto – oração. É fácil imaginar que esse roteiro não era muito atrativo para crianças, mas a minha quadra contava com a Dona Eleonor, uma senhora pia, extremamente devota e com veia artística: ela era a nossa coordenadora, responsável pelo Presépio Vivo do grupo.

O presépio vivo era a alegria das crianças. Só poderia participar (como anjo, pastor, José ou Maria) quem frequentasse as reuniões. Era um bom argumento e as reuniões sempre se encerravam com um lanchinho e o ensaio.

A minha vez de ser Virgem Maria chegou quando eu tinha 13 anos. E foi especial, demais, porque o Menino Jesus era um bebê de verdade. A “peça” não exigia grandes talentos teatrais, eram só dois atos: a chegada em Belém com José e o burrico (o burrico também era personagem, esqueci de falar antes) e a adoração dos pastores e dos Reis Magos. Mas ensaiávamos muito, nada poderia dar errado (eu não poderia deixar o bebê – de verdade – cair, por exemplo).

Naqueles dias, o imperador Augusto publicou um decreto, ordenando o recenseamento em todo o império. Esse primeiro recenseamento foi feito quando Quirino era governador da Síria. Todos iam registrar-se, cada um na sua cidade Natal. José era da família e descendência de Davi. Subiu da cidade de Nazaré, na Galiléia, até a cidade de Davi, chamada Belém na Judéia, para registrar-se com Maria, sua esposa, que estava grávida. Enquanto estavam em Belém, se completaram os dias para o parto e Maria deu à luz o seu filho primogênito. Ela o enfaixou, e o colocou na manjedoura, pois não havia lugar para eles dentro da casa. (Lc 2,1-7)

O dia chegou: em uma garagem da vizinhança montamos o cenário – janelas onde os donos de hospedarias recusariam pouso à Sagrada Família, a gruta, a manjedoura. Eu e meu irmão seríamos Maria e José, outras garotas foram donas de hospedaria e os outros garotos foram anjos, pastores, reis ou burricos. De nós dependia a história do Natal, nós estávamos fazendo o Verbo existir entre nós.

É desse tempo que vem as minhas lágrimas ao ler, ouvir ou ler coisas de Natal. Foi com a D. Eleonor (e seu presépio perpétuo, guardado na estante que se abria no Natal, com direito a jacarés e carros de polícia) que eu aprendi o que é Natal: um homem e uma mulher carregando a Graça, vendo as portas se fecharem ao seu pedido de pouso. Mas nem as portas fechadas fazem com que Deus desista de nós: a cada ano somos chamados a lembrar daquele que, enviado por Deus, foi rejeitado e perseguido pelos homens. A cada ano, a chance se renova (o Ano Litúrgico, para os católicos, começa no Advento – a espera pelo Natal). E, uma semana após o milagre, Deus nos dá um ano inteirinho, em branco, à espera da nossa escrita.

Que 2007 se encerre em grande estilo. Que 2008 traga amor, saúde, paz e, principalmente, força: para lutar pelo que é certo, concretizar os seus desejos e suportar as vicissitudes da vida. E, apesar de eu não pretender converter ninguém, uma coisa é certa: é muito mais fácil ser forte quando Deus está do nosso lado. Assim, que em 2008 você fique com Deus. E que Ele abençoe os seus caminhos e os caminhos daqueles que você ama.

p.s.: Algumas pessoas já receberam essa mensagem por e-mail. Como no ano passado, achei por bem colocar aqui a mensagem para que todos recebam os meus votos de Natal e Ano Novo. Se você não recebeu o e-mail e deveria, mil perdões. Organizar meus contatos é uma das minhas resoluções de Ano Novo. =)

Entry filed under: amor, musica, Paixão segundo CR, vida. Tags: .

(Very) little pieces of news: um post frankenstein Feliz 2008 (interrompendo as férias, por um bom motivo)

1 Comentário Add your own

  • 1. Dona Dani  |  terça-feira, 25 dezembro às 12:32 pm

    Obrigada Dona Carla…bela história…real…do tipo real que nos faz querer viver mais um pouquinho…Feliz Natal!

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Agenda

dezembro 2007
D S T Q Q S S
« nov   jan »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Most Recent Posts


%d blogueiros gostam disto: