Brincando de mulherzinha

sexta-feira, 9 novembro at 11:47 pm 8 comentários

Ontem estava andando na rua e vi uma mulher com uma bebê, de uns oito ou nove meses. Devia ser sua filha, pela feição, pelos cabelos, pelo jeito que as duas se comunicavam com o olhar. Elas pararam na banca de revistas e eu, com a minha mania de antropóloga amadora, parei do lado para observar – discretamente.

A bebê usava um anelzinho de bolinha no seu-vizinho da mão direita. No bracinho esquerdo, uma pulseirinha – também de bolinhas. Brincos de bolinha, faixinha “espreme-o-cérebro” com fuxicos,  vestidinho. Um autêntico projeto de perigosa peruinha, mas sem exagero. Linda, como são lindas todas as meninas dessa idade.

Então me lembrei da minha mãe. Ela conta que eu não ficava com anéis, pulseira, correntinha. Brincos, só usava os de argolinha porque não havia como eu arrancá-los. Até hoje eu sou assim: se por um lado sinto falta dos meus brincos e do meu anel assim que cruzo a porta em direção à rua, ao chegar em casa eles ficam ao lado das chaves na chapeleira. Acessórios, em casa, me pesam como se fossem bigornas gigantes penduradas. Até gosto de um colar, de uma pulseira, mas não me fazem falta nenhuma.

É nos cheiros e nas cores que minha mulherzice aflora. Gosto de sentir o cheiro do xampu, do hidratante, do sabonete quando saio do banho. De olhar para as minhas unhas curtinhas e vermelhas. Dos lábios com cor de chocolate e dos cílios pretos. De passar pela nuvem de perfume antes de sair de casa.

Quantas vezes, naqueles momentos tão preciosos (e tão necessários) de hidratar as mãos, me senti meio Macabéa e tive vontade de comer o creme de maracujá. É tão amarelo, tão perfumado que consegue ser mais apetitoso que a melhor das sobremesas. E o xampu de açaí? Minha glicemia se altera só de sentir o perfume. Poucas coisas são tão refrescantes quanto o hidratante de iogurte. E ainda tem a loção de frutas, o sabonete de andiroba, o óleo de buriti, sem falar no morango e no chocolate dos cabelos. Às vezes me pego imaginando o estrago que a cosmética moderna faria no estado mental da pobre Macabéa. (Eu conheço uma moça mui linda que quase comeu o sabonete de cupuaçu, mas agora parece que ela pegou gastura do cupuaçu e trocou pelo limão – que combina com a personalidade dela, segundo uma desaforada.)

E as cores? Há quem diga que mulheres que querem conquistar um amor devem pintar os olhos e as que querem conquistar uma aventura devem colorir os lábios. Espero que não seja verdade, ou minhas alergias constantes me impedirão de conquistar um amor: olhos negros somente em ocasiões muito especiais. Nunca li nada sobre as cores das unhas – embora tenha ouvido uma teoria interessante sobre as unhas pálidas e decidido adotar as cerejas, framboesas e jabuticabas nas minhas unhas curtinhas a partir de então.

Esses pequenos mimos têm o poder de restaurar o meu humor. Tem poder de colo quando meus refúgios estão longe. Se acompanhados de uma xícara de chá de hortelã fresco – como agora – conseguem transformar um dia que já começou tenso e que foi vivido em quase-choque em uma noite feliz. Descanso. Força. É isso que meus cheiros e cores fazem por mim: me fazem repousar ao mesmo tempo que me dão certeza que eu vou conseguir dar conta do que vem por aí.

Entry filed under: amor, saude, umbiguices, vida. Tags: .

Lição de engenharia Ah, essas mulheres…

8 Comentários Add your own

  • 1. Luciana  |  sexta-feira, 9 novembro às 11:55 pm

    Pois é… calúnia é isso… uso hidratante de limão e a garota disse que combina comigo! hahahahahahahahahah eu rio… porque no fundo sei que sou um agridoce de menina (porém cheirosa e macia)…
    e é engraçado vc falar nesse sabonete de cupuaçu em especial, porque meio que enjoei dele e tô pensando em levar pra pat…
    mulherzinha roots vc…😉

    Responder
  • 2. tgigio  |  sábado, 10 novembro às 12:03 am

    Você poderia ter engolido todos os acessórios quando bebê. E deveria ter um pouco de vergonha, enquanto pessoas passam fome você se “banha” com frutas tropicais.

    * Ok, confesso que já provei o creme “Merengue de Morango”.

    =~~~

    Eu sempre preferi comer coisas de verdade: chocolate, mamão, manga, peixe, essa história de comer acessórios e cremes não é comigo não!😉

    Responder
  • 3. fio da veia  |  sábado, 10 novembro às 12:40 am

    Droga!
    Eu já comi aquele shampoo de chocolate. Não resisti.

    “Olimpo: Vamos tomar um cafézinho? Eu pago!
    Macabeia:Pode ser com leite?
    Olimpo:Pode.Mas se for mais caro você paga a diferença.”

    Não lembro se é assim no livro, mas lembro no filme.É cômico.(rs rs)

    Como dizia um amigo meu:”Esse livro, é um chute no saco!”

    Ah, você é o Carlos? Conta pra gente como é o gosto do xampu de chocolate =P

    E não fala assim da Macabéa não. É dos melhores livros já escritos, tá? hmpft! (Onde já se viu, entrar no meu blog pra falar mal da Clarice… tsc, tsc, tsc)

    Responder
  • 4. Patrícia Köhler  |  sábado, 10 novembro às 2:39 am

    Ai, que delícia de post, Carlinha!🙂

    Eu também não uso nada de acessórios em casa, aliás esta sua definição de que são como bigornas foi perfeita! Hahahaha!
    Ah, sim… cremes, xampus, sabonetes, hidratantes… amo muito tudo isso.😉

    Responder
  • 5. Trotta  |  sábado, 10 novembro às 1:50 pm

    Bom, só posso dizer que também sou antropólogo amador! \o/ Me sinto um observador de pássaros, daqueles do desenho do Pica Pau.

    Responder
  • 6. fio da véia  |  domingo, 11 novembro às 10:58 am

    Pois é, eu sou “O Carlos”, já vi que meu nome anda sendo usado em vão!
    (sentiu a propriedade?)

    O gosto de shampoo de chocolate, realmente tem gosto de chocolate, eu só não comi todo, pois já começava a arrotar bolhas.

    E quanto a Hora da Estrela, é um dos melhores livros que já li também, já li três vezes, e na quarta, vou descobrir coisas que ainda não sei.
    E, apesar de falarem mal do filme, eu adoro!
    “O chute no saco”=Dor, muita dor!Só quem tem, sabe como é!(rs rs)

    Responder
  • 7. tgigio  |  segunda-feira, 12 novembro às 6:57 pm

    Eu gosto de chutes no saco. Ooops!!! I did it again.

    ¬¬

    Responder
  • 8. Samantha Shiraishi  |  quarta-feira, 21 novembro às 3:09 pm

    Sua frase “Acessórios, em casa, me pesam como se fossem bigornas gigantes penduradas” foi perfeita para me descrever…. e as unhas curtinhas e vermelhas tb!
    Gostei do texto, me encontrei.
    Cheguei aqui por um post do Efetividade.net, pode?
    Sam

    Responder

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Agenda

novembro 2007
D S T Q Q S S
« out   dez »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Most Recent Posts


%d blogueiros gostam disto: