50 músicas que marcaram a minha vida: Quase sem querer

quinta-feira, 15 fevereiro at 12:16 am Deixe um comentário

Era 1992, eu tinha treze anos e estava na sétima série do (então) Colégio Nossa Senhora Auxiliadora. Vivia num dilema lascado entre a turma do fundão, a dos excluídos e a turma dos nerds. Isso tudo sem contar a minha amizade inabalável com Irmã Lurdes (Formiga Atômica, para os menos chegados). Dá pra fazer idéia da confusão que era a minha cabeça?

Uma das poucas coisas CERTAS naquele momento era a minha paixão por Legião. Minha e do resto da torcida, certo. Era o momento. Por mais que ainda se ouça Legião, por mais que se tenha ouvido antes daquilo, eu acho que nenhuma geração foi tão marcada pela marca dos meninos de Brasília como a minha. Já não era mais a overdose que levaria os nossos heróis: era o vírus. Mas isso é assunto para outro post. Agora, o importante é a música.

A minha sala, 7a. E era composta basicamente de: (a) transferidos; (b) repetentes e (c) parentes. Opa… parentes? É, parentes. Eram dez primos, não todos entre si, mas juntando fulano que era primo de cicrano que era primo de beltrano que era primo da fulana, juntavam dez pessoas facinho. E esses primos ouviam MUITO Legião.

Um dia, volta de feriado (Corpus Christi, se não me engano. Já era frio, mas antes das férias) as primas começaram a cantar Quase Sem Querer. Uma das letras mais lindas, mais fortes e mais delicadas já escritas ever. Que eu ouvi hoje e resolvi postar aqui, para reviver a série das 50 músicas.

Quase Sem Querer
(Legião Urbana)

Tenho andado distraído,
Impaciente e indeciso
E ainda estou confuso.
Só que agora é diferente:
Estou tão tranqüilo
E tão contente.

Quantas chances desperdicei
Quando o que eu mais queria
Era provar pra todo o mundo
Que eu não precisava
Provar nada pra ninguém.

Me fiz em mil pedaços
Pra você juntar
E queria sempre achar
Explicação pro que eu sentia.
Como um anjo caído
Fiz questão de esquecer
Que mentir pra si mesmo
É sempre a pior mentira.

Mas não sou mais
Tão criança a ponto de saber
Tudo.

Já não me preocupo
Se eu não sei por quê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê

E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu vejo o mesmo que você.

Tão correto e tão bonito:
O infinito é realmente
Um dos deuses mais lindos.
Sei que às vezes uso
Palavras repetidas
Mas quais são as palavras
Que nunca são ditas?

Me disseram que você estava chorando
E foi então que percebi
Como lhe quero tanto.

Já não me preocupo
Se eu não sei por quê
Às vezes o que eu vejo
Quase ninguém vê

E eu sei que você sabe
Quase sem querer
Que eu quero o mesmo que você.

Entry filed under: 50 músicas. Tags: .

Pratique, filho, pratique! Falando em mulher-vítima

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Trackback this post  |  Subscribe to the comments via RSS Feed


Agenda

fevereiro 2007
D S T Q Q S S
« jan   mar »
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728  

Most Recent Posts


%d blogueiros gostam disto: